18 de agosto de 2006

El día de la Historieta, Argentina. 4 de Setembro.


Serve a presente para anunciar uma efeméride, digníssima. Um grupo de entusiastas argentinos pugna para que o dia 4 de Setembro se torne o dia, na Argentina, da banda desenhada (historieta, no arrastado e sibilante sotaque porteño). Para mais pormenores, aqui.
Repetindo a informação aí dada, a data aponta para 1957, o dia em que chegou às mãos dos leitores argentinos a revista Hora Cero, que aqui vemos nas mãos do seu instigador, e talvez o melhor escritor argentino de banda desenhada, e um dos mais profundos e humanos em todo o mundo (esta é a capa de uma biografia, da editora La Bañadera del Comic).
Relembrando um outro projecto de data comemorativa já aqui anunciado, aqui fica o meu desejo de essa data se cumprir nesse país, e ter alguma repercussão na atenção pelos trabalhos dos autores argentinos, pelos menos aqueles de maior qualidade, mas sobretudo o deste homem, criador de títulos tão diversos mas de grande repercussão, desde El Eternauta a Che, de Mort Cinder a Ernie Pike (por cá, pela inépcia editorial do costume, ainda esperamos uma atenção condigna a todas estas séries, já que a outra série, Sgt. Kirk [eu tinha escrito Ernie Pike, v. comentários abaixo] que por cá existe, fá-lo no interior do conluio de Pratt-como-autor-solitário; independentemente das razões que levaram do autor italiano a fazer isso).
Nota: a tip o' the hat para Domingos Isabelinho, pela informação. Posted by Picasa

6 comentários:

Anónimo disse...

Que eu me lembro ou saiba não é "Ernie Pike" que está cá editado, de Pratt-como-autor-solitário (nessa terminologia tão correcta que utilizas, não só cá, Itália por exemplo, e devido talvez também a um desentendimento tardio entre Osterheld e Pratt), mas sim, "Sgt.Kirk". Edição da Bertrand em dois volumes. Mas corrige-me também se estou errado..

abraço, Nuno F.

Flashfinger disse...

Tens razão... O "Ernie Pike" de que falava é a antiga edição espanhola! As minhas desculpas, agradecimentos, e vou corrigir.
Quanto ao desentendimento, é por isso que digo "independentemente das razões..." Mas esteve quase para ser editado, chegou a ser paginado e tudo, se não me engano, mas a Bertrand acabou por não o pôr cá fora (alguém já deve ter feito a História disto, senão, eu ajudo a descobrir com quem falar sobre isso para o confirmar). Misturaram-se as referências na minha cabeça... (é o que dá escrever de cor)

ComisionProDiaH disse...

Muchas gracias por apoyar esta iniciativa.
Un gran saludo hermanos de Brasil!!!

Flashfinger disse...

Che, pero como no!
Lo ha hecho de batacazo, sí, porque Oesterheld y vosotros, sus "hijos" de arte o espirituales, los merecéis!
Una cosa: nos soy de Brasil, soy de Portugal.
Chao, los deseo mucho éxito.
Pedro

Anónimo disse...

Não olhem agora, mas vocês 'viraram' brasileiros :0)
http://prodiah.blogspot.com/2006/08/desde-brasil-apoyo.html

Flashfinger disse...

Não é grave, meu amigo. Ser tomado por brasileiro é apenas sinal que somos ainda - independentemente das dificuldades políticas levantadas pelas hegemonias no poder - carne da mesma carne, sangue do mesmo sangue, espírito do mesmo espírito, para bem & para mal... Se não formos, temos todo o tempo do mundo para nos misturarmos!
Abraços,
Pedro