17 de junho de 2016

V de Vingança. Alan Moore e David Lloyd (Levoir) - texto de apresentação

Foi hoje apresentado o primeiro volume da segunda colecção Novelas Gráficas, da Levoir e com distribuição pelo PúblicoV de Vingança, de Alan Moore e David Lloyd. Uma vez que tive o prazer de ter sido o tradutor desta obra para português europeu, pela primeira vez, fui igualmente convidado para estar presente numa sessão que teve lugar na Universidade Nova. Numa outra ocasião, falarei brevemente da colecção. 

Tendo escrito um texto (em inglês, para incluir Lloyd de imediato no diálogo que se seguiu) que não terá outro fim senão o que teve, deixo-o aqui para memória futura ou para quem o desejar ler, com algumas notas adicionais. Não tem qualquer valor académico, sendo apenas um texto de ocasião, mas que tenta sublinhar alguns aspectos que me parecem significativos na releitura deste livro, passados mais de 30 anos. 

As imagens empregues foram retiradas da versão original, para demonstrar um ponto assinalado no texto.

Os meus agradecimentos aos editores da Levoir, ao Professor Rogério Puga e a Dave Lloyd.

V for Vendetta began its publication in 1982, and DC's colored version came out in 1988.

Whoever has had the chance to read this book, will surely identify immediately the many tropes, and sometimes direct quotes, from two of the most well-known political science fiction novels of the 20th century: Aldous Huxley's Brave New World, from 1931, and George Orwell's 1984, which came out in 1949. This strong intertextual nature should come as no surprise, as it would become one of Alan Moore's stylistic signatures. V for Vendetta presents the depiction of a what a right-wing militaristic regime could be from the perspective of a leftist living under Tatcher's Britain, so it brings about issues such as national identity, conformity, freedom versus security, economic stability, gender roles distribution, expression of sexuality and other themes. It does so also under the quite elastic genre of superhero comics, which the authors were not only exploring in their mid-20s, as they were actively helping subverting in a very particular way, just as they had with other genres before, such as the spy novel or science fiction, quite often politicized in a frank, direct manner. Allow me to remind you that the first issue of Warrior, the monthly magazine that published Vendetta, also carried the first episode of Miracleman (with Garry Leach as the artist) [which will be also published in Portuguese later this year].

V for Vendetta’s fortune is fairly known. To be honest, despite its initial success within Britain, its fame was assured globally after Watchmen’s accomplishment in the US helped to backtrack other Alan Moore’s titles, and then, much later on, after the cinematic adaptation, the Guy Fawkes’ masks became synonymous with Anonymous.

I really want to be as brief as possible, and I want to focus on one aspect of this book, which is its relationship to utopian desire, in the Romantic sense that one must find creativity in idealism, freedom and love, but also, responsibility. And that the book’s open-endedness is exactly the spot where readers can place their own phantasmatic desire. I assure you that I will keep academic jargon out of the way as much as possible. But not references, I’m afraid.

After Orwell's 1984 was published, Huxley wrote a letter to Orwell, in order both to praise and discuss some of the themes of the book, particularly by underlining the many similarities between them (but also the differences, of course, which has been a favorite topic in English literature papers around the world). Huxley writes that both books address what he calls “the ultimate revolution”, explaining it as “the revolution which lies beyond politics and economics, and which aims at total subversion of the individual's psychology and physiology”. End of quote. V for Vendetta, along with Miracleman, Watchmen and a few other series that appeared more or less within the same period by other authors would create storyworlds that not only exploit the fantastical possibilities of the existence of superheroes and their deeds, but also zero in on the consequences of their existence at a social, economic and political level.

Huxley underlines a very important trait that is quite often blindsided by other issues: “the subversion of the individual’s psychology and physiology”. Let us remember that the only thing we know is that V is a man. His gender is almost certain. In this future Britain, there are a number of undesirable traits that have been eradicated: “other” ethnicities and skin colors (than not the prescribed Anglo-Saxon whiteness), non-normative sexualities, alternative political alliances, diverging opinions, and so on. So V may be a communist, or a homosexual, a transsexual, an “all of the above” or perhaps something else.  We know, however, that while he was in the concen…, I mean resettlement camps, he went through a profound transformation, emerging as a superheroic being. But instead of the “nuclear miracles” of Marvel’s Spider-man, the Hulk or the Fantastic Four, there was no “accident”; he was experimented on. V for Vendetta’s diegesis itself, in any case, is focused more exactly on the psychological and physiological transformation of Eve Hammond, a young woman who emerges as V’s heir. The difference is that while V’s education was done through violence, fear and hate, Evey’s was conducted through love. This is explained textually within the very narrative.

There are a number of issues that I would love to comment on, but we have no time. Gender issues, for instance, or the theatricality of the characters. Indeed, this is one of my favorite artistic traits of the book. The mastery with which David Lloyd employs page composition, panel transition, perspective, angles, body positions, lightning, and so on, imparts an overwhelming range of expressivity and emotionality on an ultimately, utterly, frozen smiling mask [A mask we see hanging on the second page of the book (see first image after the cover, above), next to an eerily similar motto to a certain contemporary candidate of a foreign nation]. 

Actually, if you allow me just one little detour on my theme, one of the reasons why I was not completely happy about the film is that one has access to sound, but that added layer actually undermines one of V for Vendetta’s strengths. As you know, there is no sound in comics, unless you want to explore the materiality of the pages creaking and turning, and so on, a quite valid point. But I’m referring to diegetic sound. In Vendetta, there are no sound effects whatsoever. And we do not know what V’s voice sounds like. The film uses Hugo Weaving’s booming voice. But by giving us this powerful, masculine, deep, bass voice it curtails many other possibilities for V’s identity, which must remain as multiple and plastic as possible. And we’ll see why. [A point I brought up in my interview with Ian Hague.]

We may think of superheroes as utopian figures, but the truth is that, despite the auspicious but very brief start with Siegel's and Shuster's New Deal-imbued Superman, dealing with some of the economic and social problems of post-Depression America, most of these characters never truly challenged the status quo of their fictional realities, even if they did contribute in the most diverse ways with models for real-world politics, both progressive and conservative. But in these fictive worlds, the heroes actually change the world where they live in. V topples the British Fascist Government. Marvelman or Miracleman abolishes nuclear weapons and money and provides means for everyone to fulfill their dreams. In Watchmen, the very existence of Dr. Manhattan alters global economy and the balance of political power, and that situation leads to Ozymandias to create a plot in order to deter nuclear annihilation.

If we create a simple, reductive and even silly dichotomy between Brave New World and 1984, we could describe the former as a sort of euphoric utopia where social control is exerted through the means of distraction, illusion, and immediate gratification, and the latter as accomplishing that via constant surveillance and acts of repression, whether direct acts of violence, or impeding threats, creating a systemic feeling of fear. Going back to Huxley's letter, the English writer believed in the superiority of his own fictive future's probability over Orwell's, when he states that “the lust for power can be just as completely satisfied by suggesting people into loving their servitude as by flogging and kicking them into obedience.” End of quote.

Up until a few years ago, as for instance when the movie version of V for Vendetta came about (in 2006) I really believed that that what one may call the “left's wet nightmare”, that is to say, a fascistic, militaristic regime, where hate speech, ignorance as virtue, fear—mongering would rule - was a fiction of the past, because Brave New World's many inventions had come true. After all, people are more attentive to current affairs through Facebook than by actually reading papers.

But when I consider the situations in which we live in today, almost 35 years after the first pages of V for Vendetta were put out, and I see the political extremism taking hold in many fields, the utter disgust that many people feel for representative democracy, the emergence of identitarianism a little everywhere, the sheer indifference before the human suffering of people that are “not us”, and the utterly convoluted nationalism that rears its head only when connected to the show business of football, I wonder if we are that really far away from a gloomy future after all.

“Happiness is never grand”, one reads in Brave New World. We need nightmares to wake up. Vendetta presents a nightmarish reality in which we can place our utopian desires. Utopia here should mean not an unrealistic, utterly perfect society, one that we would not believe as feasible but rather, with Walter Benjamin, in “a more realistic sense... a society that is feasibly but radically transformed from what it is at the moment.” End of quote.

Desire is never about attaining the very object of desire. I have to be somewhat reductive now, as this opens up a number of complex theoretical issues that would warrant some context and theoretical discussion, but, allow me to quote from Slavoj Zizek’s Plague of Fantasies. He explains, quote, “how fantasy is on the side of reality, how it sustains the subject’s ‘sense of reality’: when the phantasmatic frame disintegrates, the subject undergoes a ‘loss of reality’ and starts to perceive reality as an ‘irreal’ nightmarish universe with no firm ontological foundation; this nightmarish universe is not ‘pure fantasy’ but, on the contrary, that which remains of reality after reality is deprived of its support in fantasy.” (84)” But being deprived of one’s fantasy is also possible by attaining one’s fantasy. In fact, Zizek’s explains this with a misogynistic anecdote, about how a man, when fantasizing about wanting to live with his mistress instead of with his wife, if for some reason his wife is put out of the picture, he loses his mistress as well, because she is no longer the distant object of desire, but something else. This metaphor, as you are all well aware, if used blatantly throughout V for Vendetta, with the feminine depictions of Justice, Democracy and the computer Fate.

One of the criticisms that I have seen in relation to the book is that after the fascist government is toppled and destroyed, V offers no real solution, putting back the decision on the hands of the people (who, incidentally, are the ones spared from the purges and who probably elected the powers that be, but that’s another issue). But I think that that is actually a wonderful ending. It is not their role (both Vs, I mean) to provide a solution, but to pose the question and leave the people, and the readers, by proxy, to engage with their own individual, psychological and physiological, desires. A plasticity, if one recalls, akin to V’s shifting identities [as in accordance to Evey’s “vision”]. And that’s what good comics are capable of.

Comics prevails. 

17 comentários:

Joaquim Serafim disse...

Ah então você é que foi o maroto a traduzir. É pena que tenha havido um défice de revisão e muitos dos seus erros tenham passado incólumes. E com que então "completismo"... Mais atenção a transformar palavras do inglês para não pormos a pata na poça. "Completismo" não existe em português.

Isabelinho disse...

Passou desde agora a existir, como "abajour" e "futebol" (Portugal, allez!). Com o triunfo dos nerds (aí está outra) é bom que exista.

Pedro Moura disse...

Caro Joaquim Serafim,
Agradeço o seu comentário, aceitando desde já qualquer crítica que queira fazer, mas começar uma discussão ao chamar-me "maroto", como se existisse alguma familiaridade entre nós, e não apontar esses erros, soa-me a uma displicência desnecessária. Agradecia, então, que pudesse elencar os erros que me imputa, de forma a que possa verificar a necessidade de um pedido de desculpas à editora por um mau trabalho, a necessidade de uma nova revisão, ou pelo contrário, justificar as opções, que passam por vários factores, típicos num trabalho de tradução.
Independentemente de ter sido eu ou não a traduzir o texto em questão, defendo a inclusão de "completismo", termo bastas vezes usado na cultura da banda desenhada contemporânea para dar conta de uma certa atitude, acrítica talvez, de querer ter todas as produções de um mesmo autor, uma série, etc. Eu próprio utilizo a palavra regularmente, e encontrei, neste mesmo blog, um exemplo de 2006. Claro está, eu não sou uma autoridade para formar vocabulários nem neologismos, mas a língua viva está permanentemente a adaptar-se a novas realidades e a moldar-se. Por vezes, claro, através de erros e deturpações. E não negaremos, de forma alguma, que é um anglicismo. Também o é "futebol", como aponta Domingos Isabelinho, que cumprimento.
No entanto, gostaria de perguntar como é que o Joaquim Serafim assegura que uma palavra "não existe em português"? Será que se pauta pelos dicionários existentes ou está a trabalhar nalgum levantamento do corpus lexicográfico português contemporâneo em curso? Como sabe, os vários dicionários não são necessariamente prescritivos, e é mesmo problemático quando o tentam ser. Caso contrário, estaríamos a seguir os ditames do excelente "Prontuário Ortográfico" de Bergstrom e Reis, e evitaríamos "bouquet" para falar de "ramalhete", ou "à deriva" utilizando antes a locução "ao sabor da corrente". Mas, tal como a língua se expande, o próprio Prontuário já possui "sms", por exemplo. A minha pergunta é, portanto, genuína, pois poderá ensinar-me novas formas de trabalhar.
Agradeço, então, mais uma vez, que identifique os erros, para que possa compreender a crítica que faz de forma pública, mas incompleta, ao meu trabalho. Gostava ainda de deixar claro que o trabalho de edição e revisão da Levoir é particularmente intenso, atento e inteligente. Não quero dizer que não haja problemas e que não caia a nódoa, naturalmente, mas não se caracteriza da forma como o Joaquim Serafim, de modo sumário, pinta.
Até breve, espero.
Pedro Moura

Joaquim Serafim disse...

Pedro temos de ser sérios. Há milhares de palavras que são importadas de outras línguas no português, a diferença é que essas palavras tornaram-se primeiro de uso corrente em Portugal, depois foram incorporadas no dicionário e passaram a ser "palavras oficiais da língua". O facto de tu usares uma palavra desde 2006 não a torna real e nenhuma revisão séria de uma obra literária deixaria passar uma palavra inventada sem pelo menos umas aspas... A questão é que, tal como o seu comentário denota e a ficha técnica confirma, não houve revisão da obra, porque se tal tivesse havido você falaria num "nós" ou numa equipa. Já percebi que foi o único responsável pela tradução da obra. Para mim, este tipo de erro, tal como outros, nem sequer são da sua responsabilidade, porque é normal que se perca e se engane. Era o trabalho do revisor ser a rede para corrigir esses erros. Por exemplo no livro 1 os capítulos estão mal numerados, passa do 6 para o 9. Na página 19, "tiveram mais sucesso a erradicaram algumas culturas".

JoseFreitas disse...

Olá, venho meter-me nesta conversa porque sou, não só o coordenador da equipa que produziu o livro para a Levoir, mas a pessoa que traduziu aquele bloco de texto e usou a palavra "completismo" (normalmente este tipo de textos, legendas, etc... não são feitos pelo tradutor da BD mas pelo "editor"). Alguns pontos rápidos: a Levoir tem por hábito não incluir nos créditos todos os nomes de todas as pessoas que interevieram no livro. Houve várias revisões ao texto, feitas por mim e por mais um revisor. Infelizmente, num projecto destes e dados os condicionamentos de tempo com que por vezes trabalhamos, e a pressão de entregar um livro por semana acabado, passam por vezes algumas gralhas. Há coisas que são feitas em paralelo, por várias pessoas ao mesmo tempo, e que por vezes passam depois na revisão e na "harmonização". Eu próprio já encontrei outra gralha (quanto em vez de quando), e suspeito que encontrarei sem dúvida mais uma ou outra. Não serve de descupa, mas sim de explicação.

Quanto a "completismo", fui eu que a usei: encontro a palavra frequentemente usada em contextos vários, e particularmente em psicologia/filosofia, onde me parece ser um "brasileirismo", mas em que é frequente e aceite (sobretudo na forma "completismo existencial"), e no meio dos coleccionadores (onde aliás surge por vezes usada em blogues e textos de BD sobre coleccionismo, por exemplo no do Leonardo de Sá). Será porventura um anglicismo, talvez. Mas parece-me que pelo menos nestes dois meios se tornou familiar. É uma palavra semanticamente bem formada, e como muitas vezes alguns dicionários não referem palavras que outros referem, nem sempre é possível ou desejável andar a consultar tudo para todas as palavras que nos coloquem dúvidas. Se estiver de facto "errada" no sentido de não existir, é erro meu, mas pelo menos parece-me que é compreensível e não "aberrante".

Devo dizer que o seu primeiro comentário no Facebook da Levoir, sobre "um comentário despropositado ou comentário ressabiado às histórias apresentadas" (que na realidade era a simples tradução directa duma nota da edição original) pareceu-me sobretudo indicar algum tipo de "pé atrás" em relação às edições portuguesas, e achei que oa questão do completismo servia mais de desculpa para implicar com a edição da Levoir. Se não foi esse o caso, as minhas desculpas.

Pedro Moura disse...

Caro Joaquim Serafim,
Eu peço desculpa, mas parece-me que colocar em causa a minha seriedade é algo lesivo. Tal como partir logo do pressuposto que me pode tratar por "maroto" ou "tu" para depois colocar em causa qualquer coisa que seja dita. Não digo jamais que não possa errar, mas uma gralha (compreendo o quão irritantes elas são quando escapam da malha, sobretudo quando se acumulam) não é o mesmo que uma "má tradução". E é esse comentário que é quase ofensivo, se não o justificar numa crítica mais argumentada.
Quanto ao facto de oscilar entre um "eu" e um "nós", trata-se tão-somente de querer assumir as responsabilidades que me cabem singularmente, e aquelas que poderão ser repartidas.
A nota em si, sobre as duas histórias "finais" (na verdade, pertencentes ao meio a narrativa), caso não saiba, pertence à edição da DC, não sendo uma adição do projecto português. Não gosta da palavra "completista", está no seu direito; não pode é ditar o trabalho de tradução, que tem variadíssimas soluções de lidar com esse problema.
Portanto, volto a repetir, se desejar fazer uma crítica à tradução em si, está à vontade, mas deve munir-se de exemplos ou contra-argumentos.
Pedro Moura

Joaquim Serafim disse...

Eu não tinha intenção de continuar esta conversa mas como transformaram o que eu disse numa questão pessoal obrigam-me a ser repetitivo. Primeiro, folgo em saber que ambos revelam um elevado sentido de ética ao colocar entre aspas "aberrante" e "má tradução", citando-me em expressões que eu nunca utilizei. Segundo, eu não tenho gostos em relação a palavras, elas ou existem ou não existem. O que eu disse é que havia "erros" que tinham passado sem serem reparados. A seguir fui desafiado a mostrá-los e foi o que fiz. Ora, gralhas não são exemplos de má tradução (coisa que, repito, nunca disse) mas são com certeza "erros". Depois, disse que "completismo" não existe em português, algo que o suposto autor assume em "se estiver de facto errada no sentido de não existir..." (Sim quando se cita tem de se por mesmo o que a outra pessoa disse...) Portanto, eu gostava de relembrar o meu comentário original: falava em "erros" (check) e do "completismo" (check). Obrigado.

Pedro Moura disse...

Caro Joaquim Serafim,
Uma conversa pode sempre continuar, uma vez que se pretende esclarecer um ponto qualquer. Mas temo que haja uma série de mal-entendidos incontornáveis. O facto de ter iniciado a sua comunicação ao tratar-me por "maroto", como se tivesse alguma familiaridade comigo, coloca de imediato a questão num terreno que não o meramente profissional. Também não compreendo porque se surpreende com o facto de eu ficar algo abespinhado ao colocar em causa o meu trabalho nas redes sociais (os comentários no Facebook, e aqui, pelo menos). Tenho o direito de me defender, espero, em "minha casa". As aspas, como vê, não são apenas empregues para citar outra pessoa, mas sim sublinhar um aspecto qualquer do que é dito. Não se consegue, talvez, ser-se totalmente claro em todos os pequenos pormenores.
Quanto ao facto de continuar a achar que a palavra não existe, bom, não é apenas através da sua fixação lexicográfica que ela passa a existir, uma vez que a esmagadora delas tem uma existência prévia na língua falada (lapalissada). E na comunidade da banda desenhada, esta palavra tem uma existência comum e é bastas vezes empregue. Por outro lado, mesmo enquanto neologismo, não está mal-formada.
Não estou a presumir nada de ninguém, mas imaginemos que se nos pautarmos apenas pelas palavras que estão fixadas no dicionário, ou até que os neologismos apenas são aceitáveis em determinados campos semânticos (expansão da tecnologia e ciência, etc.), então o uso de Foucault de "heterotopia" está errado, os "não-lugares" de Marc Augé são um absurdo, e o Mia Couto é um péssimo escritor.
Enfim, uma decisão foi tomada em relação a esse vocábulo. Pautar um trabalho a partir dessa opção, com a qual tem toda a liberdade, até bem argumentada (mas não suficientemente, a meu ver), de discordar, da forma como o tem feito em vários lugares, é que me parece merecedora da minha contínua inquirição.
Pedro Moura

Isabelinho disse...

Se os estrangeirismos, ou neologismos em geral, tivessem de ter o beneplácito de uma qualquer academia (veja-se aqui a aberração: http://tinyurl.com/zedgoth) a qual, no caso português, é a Academia das Ciências (!) já que, cadê a das letras? Enfim, para retomar o fio à meada: se fosse o caso, nenhum estrangeirismo ou neologismo proveniente de uma sub-cultura entraria nunca no vocabulário corrente já que os senhores académicos costumam ignorar o que se passa nessas paragens. Isto é particularmente verdade no caso da banda desenhada, a arte invisível, como lhe chamou, numa double entendre (look ma, no quotation marks!) o estimável Scott McCloud.

Pedro Moura disse...

Bom, este não é o espaço para discutirmos um dicionário, mas estaria correcto ser a Academia de Ciências a levar a cabo um projecto dessa natureza. Foi aliás a pensar nesse projecto que falei do falho levantamento lexicográfico que esteve na base (demasiado rápida) desse dicionário, cujo director foi o Professor Malaca Casteleiro. O problema foi de vária ordem, começando pela questão da criação defeituosa da base lexical, pela falta de equilíbrio na redacção das entradas, e a assunção de uma qualidade prescritiva original que veio trazer inúmeros problemas (é a partir daí que, de acordo com o arbítrio de tal dicionário, se começou a escrever "dossiê", entre outras bacoradas).
Não estou de acordo que a academia, sobretudo portuguesa, não aceite esses vocábulos. É minha experiência, pelo contrário, que há uma aceitação equilibrada de novos termos. E a banda desenhada vai começando a entrar na academia, em pequenos trabalhos (ou "papers"?), e até teses finais. Se os professores estão preparados para contextualizações mais alargadas ou se acompanham a crítica e estudos internacionais, é outra conversa.
Mas... nem toda a gente tem de ser... completista! :)

Isabelinho disse...

Que a banda desenhada ponha aqui e ali o pé na porta entreaberta da academia antes de que a dita se feche com estrondo (correndo alguns pés o risco de sair seriamente magoados, suponho...) é uma coisa... Que vocábulos provenientes da sub-cultura passem sequer pelos olhos dos Malacas Casteleiros (não pretendo ser ofensivo, estou só a usar uma sinédoque) é já outra coisa completamente diferente.

Isabelinho disse...

E que queres dizer com "demasiado rápida", Pedro? É um mito urbano que levaram 200 anos a chegar à letra D?

Isabelinho disse...

Peço desculpa: depois de consultar a Wikipedia parece que em 200 anos não passaram foi da letra A. E este último levou 13 anos a concluir!

Pedro Moura disse...

Não estou no meu scriptorium, logo não tenho à mão de consulta os vários dicionários (Academia, Houaiss, Porto, Lello, etc.) para verificar listagens que pudessem ser pertinentes, mas a que termos nos estaríamos a referir? Isso pode ser interessante: "banda desenhada" e "quadradinhos", por exemplo, ou usos específicos de "balão", "vinheta"? Ou quereríamos já que surgisse "entraçamento", "transição", "linha cinética"? Quando falo da entrada na academia, falo de tratamentos e estudos, e sinceramente acho que é lento mas seguro. Estamos longe de uma aceitabilidade idêntica à de outra disciplinas, sem dúvida, mas lá se vai fazendo alguma coisa.
Quanto à rapidez-lentidão... O Dicionário da Academia foi de facto construído num trabalho de campo demasiado concentrado numa equipa pouco diversificada em termos de métodos, consta, e o levantamento lexicográfico não foi feliz (e foi rápido). Conta-se é que no século XIX, estamos a falar de outro dicionário, é que foi lento... ao ponto do Alexandre Herculano, em "A dama de pé-de-cabra" (em «Lendas e Narrativas»), escrever isto: "O onagro fitou as orelhas e, em sinal de aprovação, começou a azurrar; começou por onde, às vezes, academias acabam." (o dicionário tinha terminado nessa palavra e nunca mais avançou...).

Isabelinho disse...

Como o termo em discussão é "completismo" fui ver o Houaiss: nada. O da Porto: nada. Ainda no da Porto, na entrada "Banda" tem (depois de definir a palavra: banda de música, parte lateral de um objecto, etc: "ficar de cara à banda", "pôr de banda", "mandar àquela banda", "banda magnética", "faixa honorífica". "Banda desenhada": zero. Quem os mandava àquela banda era eu. No Houaiss sim que tem uma definição. Quanto a "balão" o Houaiss volta a ter a definição. No da Porto, de novo zero. Não vi mais, portanto Houaiss: 3/2; Porto: 3/0. Mas estava mais a pensar em termos vindos da sub-cultura como "cosplay", por exemplo: Houaiss, nada. O outro nem vi.

Pedro Moura disse...

[sob o verbete geral de "BANDA"] "banda desenhada, sequência de desenhos, tradicionalmente contornados por um quadrado ou rectângulo, que contam uma história ou apresentam uma personagem em diversas situações. [aproxim.] HISTóRIA AOS QUADRADINHOS. Lia uma história do Astérix, o seu herói preferido de banda desenhada. Os balões, o grafismo, a profusão de onomatopeias da banda desenhada. Álbum, livro de +." Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea. Academia das Ciências de Lisboa: pg. 474. Ah, finalmente percebi!

Isabelinho disse...

Pois, e, para além de não fechar o parêntesis no comentário anterior, "subcultura" escreve-se sem hífen (algo que eu devia saber porque normalmente o hífen existe com vogais e com as consoantes "r", "s", "h", e pouco mais). Depois do acordo de 1990 é que ficámos com "autorretrato". Please!...