21 de maio de 2024

Le Dieu-Fauve. Fabien Vehlmann e Roger (Dargaud)

O que é o Dilúvio? De uma forma corriqueira, é um avanço repentino e tumultuoso de águas sobre superfícies que usualmente não lhe estão subjugadas. É também um mito, uma história, que na nossa cultura tem presença no Épico de Gilgamesh e, mais tarde, nas narrativas que seriam agregadas nos textos judaicos e cristãos, mas tem algumas presenças semelhantes em outras culturas não-aparentadas, como do povo maia ou os ojibwe. Mas pode ser visto também como uma maré de algo que nos subleva, que nos altera, de forma irresistível, profunda, transformadora. Algo que até poderíamos imaginar não possuir e, nesse repente, se revela e nos transforma. Neste livro, há um dilúvio literal: ondas que engolem as terras e tudo destroem, mudando ou derrubando a ordem até ali vigente. Mas há outra: é também a vaga que vai e vem, súbita e sangrenta, do Sem-Voz, tornado a arma demente de morte chamada de “Deus-Selvagem”, empregue em combates de gladiadores, de significado religioso e ritual. (Mais)

17 de maio de 2024

Sílvia. Pepedelrey (auto-edição)

Pepedelrey tem criado toda uma série de pequenas publicações através do seu selo editorial, na qual vai explorando, da sua forma livre consabida, pequenos relatos onde o humor pode viver lado a lado com uma crítica mordaz da sociedade actual, as diatribes de bicho isolado se unem à atenta participação, a capacidade de vislumbrar a vida dos outros se confunde com a irritação da imbecilidade generalizada. Sílvia é, talvez, uma pequena excepção, como gesto de estranha empatia.


Na história da banda desenhada, podemos encontrar várias instâncias de peças que, com humor, criam desvios em termos da representabilidade dramática mais usual, escolhendo ângulos, proximidades ou vistas “pouco naturais” - closes-ups extremos, planos em zénite ou nadir, perspectivas de dentro da cabeça das personagens, focalições zero, etc. A título de exemplo, o autor holandês Jan Linse tem uma peça publicada por volta de 1870, na Humoritisch Album, intitulada “Um romance em quarenta pernas”, de apenas 8 vinhetas, mostrando, no fundo, uma sequência em torno de um romance “assolapado” entre um cavalheiro e uma dama e, depois, os pais desta. Este tipo de “limitações” auto-impostas conduz a exercícios oubapianos, ou outros, curiosos, que servem um propósito de humor, de novas perspectivas, e ao mesmo tempo de revelação da linguagem oculta, física, emocional ou outra, das suas personagens. Numa antologia de 1999, Paroles de Taulards (“Palavras de reclusos”), reunindo testemunhos e vidas de reclusos prisionais, Edmond Baudoin também deu corpo a um dos testemunhos sem jamais mostrar-lhe o rosto, como se se pretendesse, a um só tempo, demonstrar a perda de humanidade ao se viver numa prisão mas ao mesmo tempo defender a última possibilidade da dignidade humana que lhe restaria. (mais) 

7 de maio de 2024

Três publicações. André Coelho (ΧΘΩΝ)

Na sua prolífera produção de projectos de banda desenhada, de ilustração e musicais, André Coelho cria como que metástases desses mesmos gestos e que, com a sua alquimia e ciência (difícil de destrinçar uma da outra), expugna, mantém vivas e cultiva para que se desenvolvam em novos organismos autónomos, mas que transportam a mesma contaminação. Se bem que uma grande parte do público dedique maior atenção a objectos maiores do ponto de vista comercial, genérico e de circulação capitalista - “novelas gráficas” e “álbuns” -, seguirmos os pequenos passos expressivos levam à manutenção dos modos como um artista vai pesquisando, burilando, interrogando, esses tais gestos contínuos. 

Estas três publicações saíram, desde final de 2023 até há recente, pelo próprio selo do artista, ΧΘΩΝ, ou “Khthon”, que lhe serve de plataforma de auto-edição editorial e musical, sendo neste último caso acessíveis via Bandcamp as produções que mesclam música electrónica, noise, soundwalks, colagem, found footage, ambientes negros, criando paisagens sonoras muito próximas, precisamente, do que o autor tenta capturar através dos seus desenhos e colaborações: um retrato das ruínas do futuro que fazem sentir a sua sombra já hoje. (Mais) 

5 de maio de 2024

Kogarashi Monjirou, O prenúncio do Inverno e A lenda de Musashi . Goseki Kojima e Mamoru Sasaki, e Saho Sasazawa (Pipoca & Nanquim)


É um prazer incrível termos hoje acesso a muito mais frentes de oferta da banda desenhada global. Seria interessante fazer uma arqueologia das estratégias que os leitores faziam para procurar textos internacionais ao longo das décadas, e tentar compreender em que medida essas mesmas práticas informaram a formação do gosto e conhecimento. Como pertencente à geração que apenas ganhou autonomia dessa procura na década de 1980, quero acreditar que o maior esforço terá criado instrumentos de atenção distintos daqueles que a cultura pós-web permitiu, mas ao mesmo tempo quero acreditar que é motivo de celebração a proliferação de agentes editoriais e a circulação mais oleada do comércio global, mesmo com os aspectos menos felizes. No que diz respeito à mangá, é magnífico que possamos virar-nos para editoras brasileiras que nos dão acesso a livros que, de outro modo, não estariam disponíveis em outro idioma “acessível” (partindo da ideia que o japonês não é comum entre a maior parte dos leitores portugueses). Estes dois volumes, da mesma colecção de que os livros de Hiroshi Hirata de que falámos (e de que, entretanto, um volume foi publicado em Portugal pel'A Seita), apresentam-nos um dos maiores mestres da banda desenhada de samurais, Goseki Kojima.

2 de maio de 2024

Gato Comum. Joana Estrela (Planeta Tangerina)

Incorrendo no perigo da repetição, voltamos à carga com um problema contemporâneo da oferta da banda desenhada, quase global, mas definitivamente em Portugal. Na voragem de provarmos que a “banda desenhada não é só para crianças”, a viragem para a sua dita “maturação” implicou uma drástica transformação da oferta, esforços editoriais, recepção mediática e discussão para toda uma produção de banda desenhada que excluía, precisamente, as crianças. Mesmo que haja oferta, há pouca discussão (veja-se o silêncio generalizado sobre as obras de Raina Telgemeier, ou a recepção “chocha” e deslocada dos livros de temática YA ou lgbt-friendly, quase sempre pautadas por ligeiros vislumbres de posicionamentos heteronormativos e tutelares). Mesmo os festivais “dispensam” essas dimensões. Por isso, acaba por ser um travo distinto quando nos deparamos com gestos dedicados a textos mais abrangentes em termos de públicos etários mais jovens e, sobretudo, quando feito com uma qualidade significativa, e sem concessões. Pouco surpreende, portanto, que seja a Planeta Tangerina, cooperativa de uma mão-cheia de autores que têm pugnado por uma transformação profunda na seriedade com que levam as relações entre texto e imagem em livros para a infância e juventude, que nos chega um novo livro de Joana Estrela.

1 de maio de 2024

A Estrada. Manu Larcenet (Ala dos Livros)

Muitas vezes, e já o repetimos bastas vezes, a consideração das adaptações atém-se meramente ao verter da fabula, por oposição à sjuzhet, na terminologia formalista, para um novo meio, isto é, tão-somente os “acontecimentos”, que muitas vezes também se chamam “estória”, e não as estratégias discursivas, formais, e poéticas do meio original. Isso leva àquele exercício curioso de contrastar ponto por ponto “o que acontece” no texto original com o que surge no novo texto, colocando todas as outras possíveis dimensões completamente de lado. E, as mais das vezes, leva a discussões passionais (não sem mérito próprio, diga-se) sobre a questão da “fidelidade” em relação ao texto original (sigo aqui, como em tantas ocasiões, Jan Baetens). Vejam-se os exemplos consabidos do Dune de Frank Herbert/David Lynch ou The Shining de Stephen King/Stanley Kubrick, no cinema, ou À la recherche du temps perdu de Marcel Proust/Stéphane Heuet na banda desenhada. Devemos ter sempre em conta as possibilidades de pesquisa específica de um determinado meio, nas suas capacidades materiais, expressivas e estéticas, que possam atingir a criação autónoma. E, por vezes, pode haver um tal grau de autonomia que se fundam textos quase-totalmente independentes do ponto de partida, como no caso do nosso território o exemplo superior de Le Chatêau, de Olivier Deprez (après Kafka). Todavia, e dependendo dos contextos, a fidelidade não tem necessariamente de ser vista como um “problema”, “obstáculo” ou “impedimento” a essa mesma criatividade, como não poderíamos deixar de acreditar, tendo em conta o trabalho criativo em curso na colecção da Levoir dos Clássicos da Literatura Portuguesa em Banda Desenhada, e outros trabalhos menores.

21 de abril de 2024


Todas as coisas têm o seu momento, todos os momentos devem ser ocupados pelas suas coisas.

O 3 Graus de Carequice chegou ao fim. It's ceased to exist. Passed on. Is no more. It is an ex-3 Graus de Carequice.

Não se preocupem. Estamos bem. Foi, aliás, regado a cerveja que chegámos a esta conclusão.

Este programa nasceu da força das circunstâncias, como de tantas outras oportunidades, do “desconvívio” provocado pela pandemia, e começado com entusiasmo, planos e preparação. Mas a vida continua, e quando a vida continuou e continuou e se expandiu, íamos tendo mais dificulades em manter um ritmo de preparação, conversas prévias e “scripts” para os programas. E como queremos fazer sempre o melhor e servir o público que tínhamos – nada displicente, ainda que estejamos conscientes do que isto é – percebemos que não estávamos a respeitar nem os nossos propósitos nem essas mesmas pessoas.

Estamos, em primeiro lugar, muito contentes pelo que fizemos até agora. A nossa amizade mútua e gosto pela banda desenhada e trocas de cromos não termina, simplesmente não partilharemos as conversas nem as agendaremos para um podcast. E cada um de nós manterá as suas relações com o mundo da banda desenhada a solo, lendo, escrevendo, editando, criando.

Pode ser que haja notícias. Pode ser que não. O amanhã é depois de hoje, não vale a pena adivinhar. Mas trabalharemos para alguma coisa.

Um abraço a todos os que nos aturaram.

Como bónus, fanart de quem nunca nos ouviu (e ainda bem!).



19 de abril de 2024

Paper Wraps Rock. Francisco Sousa Lobo (Ar.Co)

Serve o presente post para comentar, de forma muito breve, uma pequena publicação que acompanha uma exposição de vários trabalhos de Francisco Sousa Lobo que está a ter lugar na escola Ar.Co, em Xabregas, até 11 de Maio. Esta exposição inclui desenhos originais, xilogravuras e serigrafias, a maior parte dos quais inéditos, alguns associados a projectos de banda desenhada, outros de valência autónoma, e ainda cadernos de trabalho, publicações, matrizes das gravuras, pequeno mural, e outros desdobramentos que merecem a atenção daqueles que desejam conhecer com maior intimidade a lavra deste autor. É, igualmente, uma venda (inclusive prints, posters e tote bags) e, acima de tudo, um pequeno exercício de “retomar ar”. Finalmente, uma pequena publicação, em edição limitada, numerada e assinada, um desdobrável de 8 faces, em serigrafia a duas cores, que contém uma pequena banda desenhada de 4 pranchas, em inglês.

17 de abril de 2024

O ofício dos ossos. Miguel Carneiro (Magma Bruta)

Esta nova publicação do autor vem directamente na esteira dos Ex-votos para o século XXI, para cujo texto remeto, por força desta nova leva de desenhos ser uma variação daqueles temas e, consequentemente, também as nossas palavras se poderem dedicar a variações. Essa irmandade é mais que natural, uma vez que o “fundo” empregue são uma série de pinturas desenvolvidas por Miguel Carneiro entre 2020 e 2023, e que aqui ganham corpo através das alquimias de risografia exploradas pelo estúdio Magma Bruta.

Algumas imagens, e os anexins ou legendas que as acompanham, repetem-se, enquanto outros elementos ou são inéditos ou não haviam encontrando ainda oportunidade de companheirismo nas páginas. Todavia, as variações e recombinações a que se entregam aqui ganham uma nova roupagem, dada as vivíssimas cores com que surgem, brilhantes vivas, eléctricas, quase psicadélicas. Assim, os esqueletos, diabos, funerais, a Morte, aranhas e escorpiões vêm criar novas procissões macabras e humoradas, recordando como face á transitoriedade e ao destino mais certeiro, mais vale um abandono hedonista no sarcasmo. Existem também algumas imagens mostrando bruxas e banquetes, num registo mais solto, de desenho a traço célere, e com uma maior densidade de dramatismo ou narrativa, que podem criar uma espécie de contexto novelesco às outras imagens mais icónicas (os tais ex-votos). Até certo ponto, portanto, poderíamos tentar adivinhar uma espécie de drama familiar, um romance de antanho, de um mundo ruralmente desértico, habitado por avantesmas e o medo do dianho, mas no qual a morte, quando surge, vem bêbada, e há-de enganar-se na sua missão.

11 de abril de 2024

Entrevista em As Leituras do Pedro.


Serve este post para vos indicar a entrevista do Pedro Cleto, a propósito do Sermão, que adaptei com o Bernardo Majer. Aqui.